Dana White anuncia Holm x De Randamie pelo cinturão inaugural dos penas

0
152
UFC inaugura cinturão peso-pena
UFC inaugura cinturão peso-pena

 

A recém criada categoria “peso-pena feminino” (65,7 kg) no UFC já tem sua luta inaugural e valendo cinturão. Dana White anunciou ao programa “Sports Center” ESPN nesta madrugada que a ex-campeã peso-galo Holly Holm enfrenta a holandesa Germaine De Randamie no UFC 208, dia 11 de fevereiro, no Brooklin, em Nova York, mesmo card em que José Aldo defende o cinturão linear dos pesos-penas contra Max Holloway, campeão interino da divisão.

Dana White revelou na semana passada que a organização pretendia colocar Holly Holm x Cris Cyborg ou Cyborg x De Randamie pelo cinturão da nova categoria, mas segundo o presidente, a brasileira teria recusado alegando pouco tempo para bater o peso.

Após o anúncio oficial de Holm x De Randamie, Cyborg se manifestou nas redes sociais: “Desrespeito”. Minutos mais tarde, Dana se pronunciou e disse que isso não se trata de desrespeito e que a intenção é fazer acontecer uma revanche entre Holm e Ronda Rousey em uma unificação de títulos futuramente [Dana crê que Ronda irá vencer Amanda Nunes na disputa do cinturão peso-galo e que Holm vencerá De Randamie].

Lembrando que Holm foi quem tirou a invencibilidade de Ronda com um belo nocaute ao faturar o cinturão dos galos em novembro do ano passado, vindo a perder o título para Miesha Tate em seguida.

UFC 208
11 de fevereiro, no Brooklyn (EUA)
CARD DO EVENTO (até o momento):
Peso-pena: José Aldo x Max Holloway*
Peso-pena: Holly Holm x Germaine De Randamie
Peso-meio-pesado: Glover Teixeira x Jared Cannonier
Peso-mosca: Wilson Reis x Yuta Sasaki
Peso-pesado: Luis Henrique KLB x Marcin Tybura
Peso-médio: Roan Jucão x Ryan LaFlare

 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorKelvin Gastelum pede Vitor Belfort e UFC confirma como luta principal do UFC Fortaleza
Próximo artigoUFC marca revanche entre Junior Cigano e “Arranha Céu” para fevereiro
Um apaixonado pelas artes marciais, inspirado pelo meu pai que assistia todas as lutas de boxe na década de 70, 80. Depois passei a acompanhar o Vale-Tudo a partir da década de 90 até a evolução para o MMA atual, em que tivemos como principal referência o sucesso do Pride no Japão e o maior evento do mundo, o UFC, um fenômeno que não para de crescer. Conheço a luta na prática. Comecei com o karatê na adolescência, mas não cheguei a me graduar. Já maior de idade, iniciei no Jiu-Jítsu em 2004 e nunca mais abandonei. Além de treinar, participo de competições. Minha maior conquista foi subir no pódio do Sul-Americano de JJ da CBJJ. Criei o site www.mmasul.com.br em 2008, com o objetivo de colaborar com o MMA nos três estados que compõem a região Sul (RS, SC e PR). Fui adiante. Além de fomentar o jornalismo marcial na região, levei o MMASUL a alcançar visibilidade e credibilidade de leitores e fãs e de colegas de imprensa de todo o Brasil. Após mais de sete anos de sucesso, resolvemos inovar e lançar um nome nacional, o maismma.com, a continuação do MMASUL. Estamos no ar, em busca da evolução diária, das melhores coberturas e das melhores notícias. Sempre ágeis e precisos nas informações do mundo do MMA. Agora, somos #MAISMMA. Fazer o que a gente ama não tem preço. É com enorme prazer que faço as coberturas de eventos, escrevo, entrevisto e fotografo. Agora, rumo às cerca de 20 coberturas de UFC, além de inúmeras participações como convidado de programas no canal Combate. Um abraço especial a você que parou alguns segundos para saber mais sobre mim e sobre o maior site especializado em MMA do Sul do país. Não esqueça de aproveitar para visitar o maismma.com e seguir-nos no Twitter: @MMASUL. Muito obrigado, FAMÍLIA! "O jornalismo é uma paixão insaciável que só se pode digerir e humanizar mediante a confrontação descarnada com a realidade. Quem não viveu a palpitação sobrenatural da notícia, o orgasmo do furo, a demolição moral do fracasso, não pode sequer conceber o que são. Ninguém que não tenha nascido para isso e esteja disposto a viver só para isso poderia persistir numa profissão tão incompreensível e voraz, cuja obra termina depois de cada notícia, como se fora para sempre, mas que não concede um instante de paz enquanto não torna a começar com mais ardor do que nunca no minuto seguinte." Parte do texto: "A melhor profissão do mundo" Por Gabriel García Márquez (Jornalista, editor e escritor colombiano, prêmio Nobel de Literatura em 1982, autor do aclamado "Cem anos de Solidão")

DEIXE UMA RESPOSTA