Eddie Alvarez e Conor McGregor falam o que pensam antes do UFC 205

0
141
Alvarez e McGregor em clima tenso - Foto: Fox Sports
Alvarez e McGregor em clima tenso – Foto: Fox Sports

 

O UFC 205 acontece neste sábado, dia 12 de novembro, no Madison Square Garden, em Nova York. Liderando um card repleto de estrelas, o campeão peso-leve Eddie Alvarez defende seu cinturão contra o campeão peso-pena Conor McGregor.

Confira o que os lutadores têm a dizer faltando poucas horas para o duelo principal dessa histórica edição.

Eddie Alvarez 

Lutar no UFC 205: Eu já lutei no mundo todo, já enfrentei os melhores caras do mundo. Não sabia se lutar funcionaria para mim, não via isso como um trabalho, mas sim como uma oportunidade. Então, chegar aqui no UFC, me tornar campeão, liderar um evento desse tamanho, o maior de todos, dentro do Madison Square Garden, é um sonho realizado e o meu momento é agora.

Sobre Conor McGregor: Independente do que tem sido falado, eu acho que ele e a equipe sabem o que posso fazer. Eu acho que muito do que ele fala faz parte do jogo dele. Ele escolheu caras fracos para enfrentar. O Nate Diaz foi derrotado por toda a divisão dos leves e ele teve dificuldade para vencê-lo. Os caras que ele enfrentou não têm nada a ver comigo. E ele vai ver isso no sábado. Ele está tentando se convencer de que consegue fazer algo que sabe que não consegue.

Planos para o futuro: Eu vou me tornar o melhor Peso-leve da história do UFC. É isso que vai acontecer. Vou começar com ele e depois vou lutar com os principais caras da categoria. Vou voltar a lutar de verdade, enfrentando desafiantes de verdade, que venceram os melhores e conquistaram seu direito de disputar o cinturão, não caras que têm um sotaque engraçado e vendem ingressos.

Conor McGregor

Futuro no UFC: Eu continuo trabalhando, fazendo história e mudando o jogo. É isso que tenho feito desde o primeiro dia. E é isso que pretendo continuar fazendo, quebrando recordes, levando as coisas para outro nível. Esses são meus planos. Esperem para o que vou anunciar, mas não ouçam o que as pessoas vêm dizendo por aí. Eu amo esse esporte, é tudo o que faço. Eu não estou cansado do que faço, pelo contrário, estou me tornando melhor. Não apenas no que se diz respeito à agilidade, performance, cárdio, mas cada aspecto da minha vida – negócios, imprensa, tudo. Eu estou mais em controle de tudo o que acontece na minha vida.

 Dois cinturões: Por que não posso defender os dois? Eu luto toda semana, eu lutei semana passada. Eu posso defender os dois. Onde quer que eu decida ir, eu estou pronto e preparado. Eu sou o campeão mundial dos Penas, eu derrotei todos eles. Eu sou muito bom nessa categoria, mas sou ainda melhor nos Leves.

Sobre Eddie Alvarez: Eu não me preocupo com Eddie Alvarez, eu tenho tantas formas diferentes de atacar. Eu posso entrar na luta como um especialista em taekwondo ou focar totalmente no meu boxe. Ou posso buscar a luta no chão ou de repente investir no meu Muay Thai. Essa é a minha estreia na categoria no UFC e ninguém nunca me viu lutar nessa divisão. O Eddie é um cara duro, resistente. Mas eu não acho que ele será capaz de aguentar os meus golpes. Se ele resistir, ganhará o meu respeito, mas esse é o show do McGregor. Ele será desmantelado e posto de lado. E é isso.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorRhael Grappling promove GP com 16 convidados e inova com regras “Eddie Bravo”
Próximo artigoApós 20 anos, UFC “fecha” com Nova Iorque e promove três disputas de cinturão
Um apaixonado pelas artes marciais, inspirado pelo meu pai que assistia todas as lutas de boxe na década de 70, 80. Depois passei a acompanhar o Vale-Tudo a partir da década de 90 até a evolução para o MMA atual, em que tivemos como principal referência o sucesso do Pride no Japão e o maior evento do mundo, o UFC, um fenômeno que não para de crescer. Conheço a luta na prática. Comecei com o karatê na adolescência, mas não cheguei a me graduar. Já maior de idade, iniciei no Jiu-Jítsu em 2004 e nunca mais abandonei. Além de treinar, participo de competições. Minha maior conquista foi subir no pódio do Sul-Americano de JJ da CBJJ. Criei o site www.mmasul.com.br em 2008, com o objetivo de colaborar com o MMA nos três estados que compõem a região Sul (RS, SC e PR). Fui adiante. Além de fomentar o jornalismo marcial na região, levei o MMASUL a alcançar visibilidade e credibilidade de leitores e fãs e de colegas de imprensa de todo o Brasil. Após mais de sete anos de sucesso, resolvemos inovar e lançar um nome nacional, o maismma.com, a continuação do MMASUL. Estamos no ar, em busca da evolução diária, das melhores coberturas e das melhores notícias. Sempre ágeis e precisos nas informações do mundo do MMA. Agora, somos #MAISMMA. Fazer o que a gente ama não tem preço. É com enorme prazer que faço as coberturas de eventos, escrevo, entrevisto e fotografo. Agora, rumo às cerca de 20 coberturas de UFC, além de inúmeras participações como convidado de programas no canal Combate. Um abraço especial a você que parou alguns segundos para saber mais sobre mim e sobre o maior site especializado em MMA do Sul do país. Não esqueça de aproveitar para visitar o maismma.com e seguir-nos no Twitter: @MMASUL. Muito obrigado, FAMÍLIA! "O jornalismo é uma paixão insaciável que só se pode digerir e humanizar mediante a confrontação descarnada com a realidade. Quem não viveu a palpitação sobrenatural da notícia, o orgasmo do furo, a demolição moral do fracasso, não pode sequer conceber o que são. Ninguém que não tenha nascido para isso e esteja disposto a viver só para isso poderia persistir numa profissão tão incompreensível e voraz, cuja obra termina depois de cada notícia, como se fora para sempre, mas que não concede um instante de paz enquanto não torna a começar com mais ardor do que nunca no minuto seguinte." Parte do texto: "A melhor profissão do mundo" Por Gabriel García Márquez (Jornalista, editor e escritor colombiano, prêmio Nobel de Literatura em 1982, autor do aclamado "Cem anos de Solidão")

DEIXE UMA RESPOSTA