UFC FN 90: Eddie Alvarez nocauteia Dos Anjos e é o novo campeão; Cinco brasileiros vencem

0
681
Eddie Alvarez acerta combinação sobre Rafael Dos Anjos (Foto: Brandon Magnus)
Eddie Alvarez acerta combinação sobre Rafael Dos Anjos (Foto: Brandon Magnus)

 

A Fight Week em Las Vegas começou a mil por hora nesta quinta-feira (7), com a realização do UFC Fight Night 90, que teve como luta principal Rafael dos Anjos defendendo o cinturão dos pesos-leves contra Eddie Alvarez e a participação de mais sete brasileiros no card preliminar.

Vicente Luque abriu a noite com finalização sobre o mexicano Álvaro Herrera, um triângulo de mão.

Em seguida foi a vez do México devolver a derrota com Marco Beltran obrigando o ex-TUF Brasil Reginaldo Vieira a bater no mata-leão.

Gilbert Durinho e Felipe Sertanejo continuaram o festival de finalizações e esticaram os braços de Lukasz Sajewski e Jerrod Sanders, respectivamente, no armlock.

Pedro Munhoz, quinto brasileiro a entrar no octógono, roubou a cena ao insistir na guilhotina para vencer o havaiano Russell Duane e faturar 50 mil dólares de bônus.

A segunda derrota brasileira veio coincidentemente com outro ex-TUF Brasil, Dileno Lopes, que protagonizou uma guerra, mas viu Anthony Bichark sair com o braço levantado por decisão dividida.

Alberto Miná, sétimo brasuca a se apresentar, anotou a terceira vitória seguida na organização, na última preliminar da noite, nocauteando o casca-grossa e “quarentão” Mike Pyle com uma espetacular joelhada voadora, seguida de socos.

No duelo mais rápido da noite, o irlandês Joseph Duffy atropelou Mitch Clarke em apenas 25 segundos com um cruzado e o definitivo mata-leão.

Alan Jouban e o estreante invicto Belal Muhammad fizeram a luta mais emocionante da noite. Jouban saiu com a vitória por unanimidade, mas ambos faturaram 50 mil dólares pela “Performance da Noite”.

No co-evento principal os pesos-pesados Roy Nelson e Derrick Lewis alternaram socos na curta distância e chegaram perto do nocaute. Lewis mostrou mais agressividade e volume de jogo em pé. Roy optou por aplicar quedas, pontuar, mas não foi o suficiente para convencer o corpo de juízes laterais, que apontaram Lewis o vencedor por decisão dividida. Roy que havia encerrado a luta de forma risonha, mostrando a língua, reagiu com indignação ao ouvir o resultado oficial.

Na luta principal, Rafael dos Anjos não conseguiu segurar o ímpeto do desafiante Eddie Alvarez e acabou nocauteado. Alvarez aplicou um overhand por cima da guarda do campeão, que ficou grogue e sofreu um castigo bárbaro até a interrupção do árbitro central Herb Dean, aos 3min49s do R1.

O Brasil que já colecionou cinturões no UFC (Murilo Bustamante, Vitor Belfort, Renan Barão, José Aldo, Anderson Silva, Rafael dos Anjos, Junior Cigano e Fabrício Werdum), encerrou a noite sem mais nenhum.

UFC: Dos Anjos x Alvarez
7 de julho, em Las Vegas (EUA)

CARD PRINCIPAL
Eddie Alvarez venceu Rafael dos Anjos por nocaute técnico aos 3m49s do R1
Derrick Lewis venceu Roy Nelson por decisão dividida (29-28, 28-29 e 29-28)
Alan Jouban venceu Belal Muhammad por decisão unânime (28-27, 29-28 e 29-27)
Joseph Duffy venceu Mitch Clarke por finalização aos 25s do R1
CARD PRELIMINAR
Alberto Miná venceu Mike Pyle por nocaute técnico a 1m17s do R2
John Makdessi venceu Mehdi Baghdad por decisão dividida (29-28, 28-29 e 29-28)
Anthony Birchak venceu Dileno Lopes por decisão dividida (29-28, 27-30 e 29-28)
Pedro Munhoz venceu Russell Doane por finalização aos 2m08s do R1
Felipe Sertanejo venceu Jerrod Sanders por finalização a 1m39s do R2
Gilbert Durinho venceu Lukasz Sajewski por finalização aos 4m57s do R1
Marco Beltran venceu Reginaldo Vieira por finalização aos 3m04s do R2
Vicente Luque venceu Álvaro Herrera por finalização aos 3m52s do R2

COMPARTILHAR
Artigo anteriorUFC 200: Jon Jones é flagrado no doping e luta principal contra Daniel Cormier é cancelada
Próximo artigoCom Ivan Batman e Marcio Lyoto no card, Aspera FC 41 realiza pesagem nesta sexta-feira
Um apaixonado pelas artes marciais, inspirado pelo meu pai que assistia todas as lutas de boxe na década de 70, 80. Depois passei a acompanhar o Vale-Tudo a partir da década de 90 até a evolução para o MMA atual, em que tivemos como principal referência o sucesso do Pride no Japão e o maior evento do mundo, o UFC, um fenômeno que não para de crescer. Conheço a luta na prática. Comecei com o karatê na adolescência, mas não cheguei a me graduar. Já maior de idade, iniciei no Jiu-Jítsu em 2004 e nunca mais abandonei. Além de treinar, participo de competições. Minha maior conquista foi subir no pódio do Sul-Americano de JJ da CBJJ. Criei o site www.mmasul.com.br em 2008, com o objetivo de colaborar com o MMA nos três estados que compõem a região Sul (RS, SC e PR). Fui adiante. Além de fomentar o jornalismo marcial na região, levei o MMASUL a alcançar visibilidade e credibilidade de leitores e fãs e de colegas de imprensa de todo o Brasil. Após mais de sete anos de sucesso, resolvemos inovar e lançar um nome nacional, o maismma.com, a continuação do MMASUL. Estamos no ar, em busca da evolução diária, das melhores coberturas e das melhores notícias. Sempre ágeis e precisos nas informações do mundo do MMA. Agora, somos #MAISMMA. Fazer o que a gente ama não tem preço. É com enorme prazer que faço as coberturas de eventos, escrevo, entrevisto e fotografo. Agora, rumo às cerca de 20 coberturas de UFC, além de inúmeras participações como convidado de programas no canal Combate. Um abraço especial a você que parou alguns segundos para saber mais sobre mim e sobre o maior site especializado em MMA do Sul do país. Não esqueça de aproveitar para visitar o maismma.com e seguir-nos no Twitter: @MMASUL. Muito obrigado, FAMÍLIA! "O jornalismo é uma paixão insaciável que só se pode digerir e humanizar mediante a confrontação descarnada com a realidade. Quem não viveu a palpitação sobrenatural da notícia, o orgasmo do furo, a demolição moral do fracasso, não pode sequer conceber o que são. Ninguém que não tenha nascido para isso e esteja disposto a viver só para isso poderia persistir numa profissão tão incompreensível e voraz, cuja obra termina depois de cada notícia, como se fora para sempre, mas que não concede um instante de paz enquanto não torna a começar com mais ardor do que nunca no minuto seguinte." Parte do texto: "A melhor profissão do mundo" Por Gabriel García Márquez (Jornalista, editor e escritor colombiano, prêmio Nobel de Literatura em 1982, autor do aclamado "Cem anos de Solidão")

DEIXE UMA RESPOSTA