José Aldo, José Loreto e diretor Afonso Poyart avaliam produção de “Mais forte que mundo”: ‘Não tem como não chorar’ 

0
77
Loreto, Poyart e Aldo se divertem ao comentar "Mais forte que o mundo"(Foto: Luis Fernando Coutinho)
Loreto, Poyart e Aldo se divertem ao comentar “Mais forte que o mundo” (Foto: Luis Fernando Coutinho)

 

Ex-campeão dos penas do UFC se une a ator José Loreto e diretor Afonso Poyart e comenta produção Mais forte que o mundo – A história de José Aldo

O lançamento do filme “Mais forte que o mundo – A história de José Aldo” deixou o lutador emocionado. As palavras são do próprio atleta. Antes do retorno ao octógono, pelo UFC 200, dia 9 de julho, em Las Vegas (EUA), onde encara Frankie Edgar pelo título interino dos penas, ele relatou seu sentimento diante da produção em pré-estreia realizada no Rio de Janeiro.

– Só tenho a agradecer a todos, pois ficou muito show. Relembramos tudo, aquele passado, que pra mim foi muito difícil, mas graças a Deus vencemos. Senti uma emoção muito grande. Não tem como não chorar. Seja fã ou não de lutas, todos vão se emocionar, tenho certeza. A relação entre eu e meu pai – essa coisa de herói e vilão – ficou muito bonita – afirmou o lutador.

Diretor da produção, Afonso Poyart responde a uma pergunta frequente dos fãs de lutas: “por que a rivalidade com Conor McGregor não faz parte do filme?”.

– A ideia foi contar a historia da vida do Aldo, a trajetória dele. Lógico que a luta está ali presente, tem luta no filme, mas a veia principal do filme é essa relação dele com o pai. O filme acaba num momento em que ele se torna campeão do UFC. Cronologicamente, não envolve o McGregor. Mas uma luta com o McGregor seria num segundo filme. Só essa rivalidade já rende um filme inteiro (risos) – comentou o diretor, que teve o apoio de José Aldo na ideia.

– Se acontecer, o céu é o limite, vamos conseguir todos os objetivos. Essa história ia ficar show de bola: bater nele e pegar o cinturão. O próximo passo é pegar o cinturão, e assim que recuperar vou pensar que tenho contas a acertar (com McGregor) – prometeu.

Escalado para interpretar Aldo nas telonas, o ator José Loreto explicou qual foi a maior dificuldade na hora de construir o personagem.

– O mais difícil foi a cabeça do “Zé Aldo”. Saber de onde vem a dor, de onde vem a fúria dele. Isso encanta a gente no octógono. O octógono é só uma válvula de escape para ele. A trajetória grita dentro dele e ele bota essa raiva, essa fúria nesse chute descomunal dele. Isso que é mais difícil – explicou.

O filme Mais forte que o mundo – A história de José Aldo estreou nos cinemas de todo o Brasil na quinta-feira (16).

COMPARTILHAR
Artigo anteriorVídeo: Fedor sai do sufoco para vencer Maldonado no EFN 50 e reconhece que decisão poderia ser outra
Próximo artigoVídeo: Em disputa sangrenta, Gian Siqueira vence Silmar Sombra “duas vezes” no Aspera FC 40
Um apaixonado pelas artes marciais, inspirado pelo meu pai que assistia todas as lutas de boxe na década de 70, 80. Depois passei a acompanhar o Vale-Tudo a partir da década de 90 até a evolução para o MMA atual, em que tivemos como principal referência o sucesso do Pride no Japão e o maior evento do mundo, o UFC, um fenômeno que não para de crescer. Conheço a luta na prática. Comecei com o karatê na adolescência, mas não cheguei a me graduar. Já maior de idade, iniciei no Jiu-Jítsu em 2004 e nunca mais abandonei. Além de treinar, participo de competições. Minha maior conquista foi subir no pódio do Sul-Americano de JJ da CBJJ. Criei o site www.mmasul.com.br em 2008, com o objetivo de colaborar com o MMA nos três estados que compõem a região Sul (RS, SC e PR). Fui adiante. Além de fomentar o jornalismo marcial na região, levei o MMASUL a alcançar visibilidade e credibilidade de leitores e fãs e de colegas de imprensa de todo o Brasil. Após mais de sete anos de sucesso, resolvemos inovar e lançar um nome nacional, o maismma.com, a continuação do MMASUL. Estamos no ar, em busca da evolução diária, das melhores coberturas e das melhores notícias. Sempre ágeis e precisos nas informações do mundo do MMA. Agora, somos #MAISMMA. Fazer o que a gente ama não tem preço. É com enorme prazer que faço as coberturas de eventos, escrevo, entrevisto e fotografo. Agora, rumo às cerca de 20 coberturas de UFC, além de inúmeras participações como convidado de programas no canal Combate. Um abraço especial a você que parou alguns segundos para saber mais sobre mim e sobre o maior site especializado em MMA do Sul do país. Não esqueça de aproveitar para visitar o maismma.com e seguir-nos no Twitter: @MMASUL. Muito obrigado, FAMÍLIA! "O jornalismo é uma paixão insaciável que só se pode digerir e humanizar mediante a confrontação descarnada com a realidade. Quem não viveu a palpitação sobrenatural da notícia, o orgasmo do furo, a demolição moral do fracasso, não pode sequer conceber o que são. Ninguém que não tenha nascido para isso e esteja disposto a viver só para isso poderia persistir numa profissão tão incompreensível e voraz, cuja obra termina depois de cada notícia, como se fora para sempre, mas que não concede um instante de paz enquanto não torna a começar com mais ardor do que nunca no minuto seguinte." Parte do texto: "A melhor profissão do mundo" Por Gabriel García Márquez (Jornalista, editor e escritor colombiano, prêmio Nobel de Literatura em 1982, autor do aclamado "Cem anos de Solidão")

DEIXE UMA RESPOSTA