José Aldo participa do Altas Horas e revela data e local da próxima luta

0
76
274625-e1481343502999
Aldo posa ao lado de Caco Barcellos – Foto: Divulgação

 

Em mais uma participação no programa Altas Horas da Rede Globo, neste sábado, dia 10, José Aldo relembrou a participação de 2010 e revelou ao apresentador Serginho Groisman que volta a lutar no UFC 208, que acontece no dia 11 de fevereiro, no Brooklin, em Nova Iorque. O campeão dos pesos-penas não falou quem será o adversário nessa primeira defesa de título desde que voltou a reinar na divisão.

Aldo dominou a categoria durante 10 anos, até ser nocauteado por Conor McGregor em dezembro de 2015, em apenas 12 segundos. Scarface retornou ao octógono para uma revanche com Frankie Edgar no UFC 200, em julho, pelo cinturão interino dos penas. Segundo a organização, o vencedor enfrentaria Conor pela unificação dos títulos. Descontente com a “promessa” não cumprida, Aldo chegou a anunciar a aposentadoria.

Enquanto isso, Conor subiu para os leves, nocauteou Eddie Alvarez, tornou-se campeão, e resolveu entregar o cinturão dos penas, uma decisão tomada por não querer mais sofrer com a perda de peso e por ter se sentido à vontade nos 70 kg. De qualquer forma, o irlandês ostenta dois cinturões toda vez que é entrevistado.

Ainda neste sábado dia 10, pelo UFC 206, no Canadá, Max Holloway encara Anthony Pettis e o vencedor pode ser o primeiro desafiante ao cinturão linear de Aldo.

*Atualização: Após a conclusão desta matéria, Max Holloway venceu Anthony Pettis por nocaute técnico na luta principal do UFC 206, em Toronto no Canadá, e confirmou que enfrenta Jose Aldo no UFC 208, no dia 11 de fevereiro, em Nova Iorque. O UFC ainda não oficializou o combate.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorMoçambique cumpre a promessa de “show” e supera Turman no Imortal FC
Próximo artigoHolloway nocauteia Pettis no UFC 206 e enfrenta Aldo pelo cinturão; Sucuri estreia com vitória
Um apaixonado pelas artes marciais, inspirado pelo meu pai que assistia todas as lutas de boxe na década de 70, 80. Depois passei a acompanhar o Vale-Tudo a partir da década de 90 até a evolução para o MMA atual, em que tivemos como principal referência o sucesso do Pride no Japão e o maior evento do mundo, o UFC, um fenômeno que não para de crescer. Conheço a luta na prática. Comecei com o karatê na adolescência, mas não cheguei a me graduar. Já maior de idade, iniciei no Jiu-Jítsu em 2004 e nunca mais abandonei. Além de treinar, participo de competições. Minha maior conquista foi subir no pódio do Sul-Americano de JJ da CBJJ. Criei o site www.mmasul.com.br em 2008, com o objetivo de colaborar com o MMA nos três estados que compõem a região Sul (RS, SC e PR). Fui adiante. Além de fomentar o jornalismo marcial na região, levei o MMASUL a alcançar visibilidade e credibilidade de leitores e fãs e de colegas de imprensa de todo o Brasil. Após mais de sete anos de sucesso, resolvemos inovar e lançar um nome nacional, o maismma.com, a continuação do MMASUL. Estamos no ar, em busca da evolução diária, das melhores coberturas e das melhores notícias. Sempre ágeis e precisos nas informações do mundo do MMA. Agora, somos #MAISMMA. Fazer o que a gente ama não tem preço. É com enorme prazer que faço as coberturas de eventos, escrevo, entrevisto e fotografo. Agora, rumo às cerca de 20 coberturas de UFC, além de inúmeras participações como convidado de programas no canal Combate. Um abraço especial a você que parou alguns segundos para saber mais sobre mim e sobre o maior site especializado em MMA do Sul do país. Não esqueça de aproveitar para visitar o maismma.com e seguir-nos no Twitter: @MMASUL. Muito obrigado, FAMÍLIA! "O jornalismo é uma paixão insaciável que só se pode digerir e humanizar mediante a confrontação descarnada com a realidade. Quem não viveu a palpitação sobrenatural da notícia, o orgasmo do furo, a demolição moral do fracasso, não pode sequer conceber o que são. Ninguém que não tenha nascido para isso e esteja disposto a viver só para isso poderia persistir numa profissão tão incompreensível e voraz, cuja obra termina depois de cada notícia, como se fora para sempre, mas que não concede um instante de paz enquanto não torna a começar com mais ardor do que nunca no minuto seguinte." Parte do texto: "A melhor profissão do mundo" Por Gabriel García Márquez (Jornalista, editor e escritor colombiano, prêmio Nobel de Literatura em 1982, autor do aclamado "Cem anos de Solidão")

DEIXE UMA RESPOSTA