Max Fight 18: Atletas batem o peso para edição deste sábado, em Varginha

0
124
Amanda e Jennifer fazem a luta principal (Foto: Alexandre Valle)
Amanda e Jennifer fazem a luta principal (Foto: Alexandre Valle)

A pesagem oficial do Max Fight 18, realizada na noite desta sexta-feira (20), em um shopping de Varginha, Minas Gerais, chamou a atenção de quem passava pela praça de alimentação do local. Centenas de pessoas se amontoaram, de pé, para acompanhar de perto a briga dos lutadores com a balança. Dos 24 atletas, o único com dificuldades para alcançar o peso foi Élder Bebê Monstro, que ficou cerca de 1kg acima do limite da categoria dos pesos-leves (até 70kg) e precisou perder o restante até o final do evento.

Além da guerra contra o peso, as encaradas também animaram a multidão de curiosos do shopping Varginha, que vibraram muito quando a conterrânea Amanda Ribas ficou frente a frente com a chilena Jennifer Gonzáles. As duas fazem o duelo principal da noite, que ainda terá a disputa de cinturão dos pesos-galos (até 61kg), entre Francisco De Assis e Júnior Maranhão.

“Estou impressionado com a receptividade do povo de Varginha, o MMA é mais popular do que eu imaginava na cidade. Tenho certeza que o evento vai ser um grande sucesso e, se tudo der certo, vamos voltar todo ano”, vibrou Ricardo Saldanha, presidente do Max Fight.

Ao todo, o Max Fight 18 terá 12 lutas, que serão transmitidas ao vivo pelo canal Combate, a partir das 20h. Confira o card completo:

CARD COMPLETO:

Amanda Ribas x Jennifer Gonzales
Francisco de Assis X Júnior Maranhão
Dil Furacão x Diego Gaúcho
Henerson Neném x Natan Schulte
Felipe Nilo x Elder Bebê Monstro
Vinícius Salvador x Diogo Hannibal
Arthur Vieira x Cassio Arduini
Armando Polêmico x Flávio Merrão
Hermison Oliveira x Fábio Pacheco
Gustavo “José Aldo” x Eduardo Torres
Stefano Colossus x Ewerton Ferreira

COMPARTILHAR
Artigo anteriorVídeo: “Azarão”, Luan Chagas empata na estreia, mas avisa: “Cheguei para ficar”
Próximo artigoJungle Fight 87 chega ao Ibirapuera neste sábado com três disputas de cinturão
Um apaixonado pelas artes marciais, inspirado pelo meu pai que assistia todas as lutas de boxe na década de 70, 80. Depois passei a acompanhar o Vale-Tudo a partir da década de 90 até a evolução para o MMA atual, em que tivemos como principal referência o sucesso do Pride no Japão e o maior evento do mundo, o UFC, um fenômeno que não para de crescer. Conheço a luta na prática. Comecei com o karatê na adolescência, mas não cheguei a me graduar. Já maior de idade, iniciei no Jiu-Jítsu em 2004 e nunca mais abandonei. Além de treinar, participo de competições. Minha maior conquista foi subir no pódio do Sul-Americano de JJ da CBJJ. Criei o site www.mmasul.com.br em 2008, com o objetivo de colaborar com o MMA nos três estados que compõem a região Sul (RS, SC e PR). Fui adiante. Além de fomentar o jornalismo marcial na região, levei o MMASUL a alcançar visibilidade e credibilidade de leitores e fãs e de colegas de imprensa de todo o Brasil. Após mais de sete anos de sucesso, resolvemos inovar e lançar um nome nacional, o maismma.com, a continuação do MMASUL. Estamos no ar, em busca da evolução diária, das melhores coberturas e das melhores notícias. Sempre ágeis e precisos nas informações do mundo do MMA. Agora, somos #MAISMMA. Fazer o que a gente ama não tem preço. É com enorme prazer que faço as coberturas de eventos, escrevo, entrevisto e fotografo. Agora, rumo às cerca de 20 coberturas de UFC, além de inúmeras participações como convidado de programas no canal Combate. Um abraço especial a você que parou alguns segundos para saber mais sobre mim e sobre o maior site especializado em MMA do Sul do país. Não esqueça de aproveitar para visitar o maismma.com e seguir-nos no Twitter: @MMASUL. Muito obrigado, FAMÍLIA! "O jornalismo é uma paixão insaciável que só se pode digerir e humanizar mediante a confrontação descarnada com a realidade. Quem não viveu a palpitação sobrenatural da notícia, o orgasmo do furo, a demolição moral do fracasso, não pode sequer conceber o que são. Ninguém que não tenha nascido para isso e esteja disposto a viver só para isso poderia persistir numa profissão tão incompreensível e voraz, cuja obra termina depois de cada notícia, como se fora para sempre, mas que não concede um instante de paz enquanto não torna a começar com mais ardor do que nunca no minuto seguinte." Parte do texto: "A melhor profissão do mundo" Por Gabriel García Márquez (Jornalista, editor e escritor colombiano, prêmio Nobel de Literatura em 1982, autor do aclamado "Cem anos de Solidão")

DEIXE UMA RESPOSTA