Moçambique promete dar show contra Turman no Imortal FC: “De tirar o fôlego”

0
151
Moçambique promete show em Curitiba - Foto: Divulgação
Moçambique promete show em Curitiba – Foto: Divulgação

 

Carlston Lindsay Harris, apelidado pelos companheiros de “Moçambique”, nasceu em Skeldon na Guiana, fronteira com o Suriname, mas há cerca de cinco anos vive no Brasil. Radicado no Rio de Janeiro, onde ministra aulas e treina na Renovação Fight Team, o atleta recentemente sagrou-se campeão do GP de meio-médios do XFC e disputaria o título da categoria, mas a organização americana deu uma pausa nos trabalhos e Moçambique acabou fazendo mais dois combates em eventos nacionais.

Embalado por vitória no evento carioca Skull FC, Moçambique enfrenta o curitibano Wellington Turman, na luta principal do Imortal FC, neste sábado (10), em Curitiba. Assim que desembarcou na capital paranaense, nesta quinta-feira, Moçambique se mostrou bastante motivado para o duelo com Turman. Ele comentou a preparação, analisou o oponente e garantiu que lutar na casa do adversário não faz nenhuma diferença.

– Consigo conciliar o trabalho com o treinamento. Dar aulas não me atrapalha. Fiz um camp completo para essa luta, treinei tudo. Estou muito bem fisicamente e mentalmente. O (Wellington) Turman é jovem, bastante agressivo e tem uma boa trocação, considero um lutador completo. Não vejo problema lutar na casa dele. Já acostumei lutar na casa dos adversários. Apesar de me sentir um pouco brasileiro, sou da Guiana, então, sempre luto fora de casa (risos). Será um grande show. O público pode esperar por um combate de muita qualidade, técnico e movimentado, de tirar o fôlego – prometeu o guianês.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorJon Jones recebe pena máxima por doping, mas pode retornar em julho
Próximo artigoUFC Albany: Ju Thai dita ritmo e supera J.J. Aldrich; Tiago Trator retorna com derrota
Um apaixonado pelas artes marciais, inspirado pelo meu pai que assistia todas as lutas de boxe na década de 70, 80. Depois passei a acompanhar o Vale-Tudo a partir da década de 90 até a evolução para o MMA atual, em que tivemos como principal referência o sucesso do Pride no Japão e o maior evento do mundo, o UFC, um fenômeno que não para de crescer. Conheço a luta na prática. Comecei com o karatê na adolescência, mas não cheguei a me graduar. Já maior de idade, iniciei no Jiu-Jítsu em 2004 e nunca mais abandonei. Além de treinar, participo de competições. Minha maior conquista foi subir no pódio do Sul-Americano de JJ da CBJJ. Criei o site www.mmasul.com.br em 2008, com o objetivo de colaborar com o MMA nos três estados que compõem a região Sul (RS, SC e PR). Fui adiante. Além de fomentar o jornalismo marcial na região, levei o MMASUL a alcançar visibilidade e credibilidade de leitores e fãs e de colegas de imprensa de todo o Brasil. Após mais de sete anos de sucesso, resolvemos inovar e lançar um nome nacional, o maismma.com, a continuação do MMASUL. Estamos no ar, em busca da evolução diária, das melhores coberturas e das melhores notícias. Sempre ágeis e precisos nas informações do mundo do MMA. Agora, somos #MAISMMA. Fazer o que a gente ama não tem preço. É com enorme prazer que faço as coberturas de eventos, escrevo, entrevisto e fotografo. Agora, rumo às cerca de 20 coberturas de UFC, além de inúmeras participações como convidado de programas no canal Combate. Um abraço especial a você que parou alguns segundos para saber mais sobre mim e sobre o maior site especializado em MMA do Sul do país. Não esqueça de aproveitar para visitar o maismma.com e seguir-nos no Twitter: @MMASUL. Muito obrigado, FAMÍLIA! "O jornalismo é uma paixão insaciável que só se pode digerir e humanizar mediante a confrontação descarnada com a realidade. Quem não viveu a palpitação sobrenatural da notícia, o orgasmo do furo, a demolição moral do fracasso, não pode sequer conceber o que são. Ninguém que não tenha nascido para isso e esteja disposto a viver só para isso poderia persistir numa profissão tão incompreensível e voraz, cuja obra termina depois de cada notícia, como se fora para sempre, mas que não concede um instante de paz enquanto não torna a começar com mais ardor do que nunca no minuto seguinte." Parte do texto: "A melhor profissão do mundo" Por Gabriel García Márquez (Jornalista, editor e escritor colombiano, prêmio Nobel de Literatura em 1982, autor do aclamado "Cem anos de Solidão")

DEIXE UMA RESPOSTA