Nazareno Malegarie vence a segunda no Pancrase e crava bandeira argentina no Japão

0
111
14563413_1815057782050237_3487893273394089273_n
Nazareno mostra arsenal de quedas – Foto: Reprodução

Primeiro argentino a fazer história no MMA japonês, Nazareno Malegarie vem ganhando cada vez mais notoriedade no continente asiático.

No último sábado (1º), Malegarie anotou a sua segunda vitória no Pancrase, dando passos largos em direção a uma possível disputa de título.

Depois de superar o experiente Hiroyuki Takaya por unanimidade no Pancrase 278 em junho, Nazareno voltou à terra do Pride para derrotar o havaiano e também muito experiente Guy Delumeau.

Ao contrário do público ocidental apaixonado por trocação e nocautes arrasadores, os japoneses são mais entusiastas das finalizações. Nazareno até que tentou brindar a plateia presente na Arena Differ Aryake de Tóquio com a arte suave, chegando às costas de Guy Delumeau, em busca do mata-lelão, mas o resultado positivo veio pela decisão unânime dos juízes laterais.

De volta ao Brasil, Nazareno não terá tempo de comemorar o 26º triunfo da carreira. A preparação continua na Team Tavares, em Florianópolis (SC), onde é radicado há mais de dez anos. O argentino disputa o cinturão peso-pena do Smash Fight, em Curitiba (PR), no dia 28 de outubro, contra o paraense Bruno “Cro Cop” Lobato, atleta com mais 50 lutas profissionais, vindo de vitória FFC 20, no Peru.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorAriane Lipski nocauteia ex-UFC no KSW 36; Toquinho e Renato Pezinho perdem
Próximo artigoLutador do UFC e semifinalista do TUF 17 morre aos 28 anos na Flórida
Um apaixonado pelas artes marciais, inspirado pelo meu pai que assistia todas as lutas de boxe na década de 70, 80. Depois passei a acompanhar o Vale-Tudo a partir da década de 90 até a evolução para o MMA atual, em que tivemos como principal referência o sucesso do Pride no Japão e o maior evento do mundo, o UFC, um fenômeno que não para de crescer. Conheço a luta na prática. Comecei com o karatê na adolescência, mas não cheguei a me graduar. Já maior de idade, iniciei no Jiu-Jítsu em 2004 e nunca mais abandonei. Além de treinar, participo de competições. Minha maior conquista foi subir no pódio do Sul-Americano de JJ da CBJJ. Criei o site www.mmasul.com.br em 2008, com o objetivo de colaborar com o MMA nos três estados que compõem a região Sul (RS, SC e PR). Fui adiante. Além de fomentar o jornalismo marcial na região, levei o MMASUL a alcançar visibilidade e credibilidade de leitores e fãs e de colegas de imprensa de todo o Brasil. Após mais de sete anos de sucesso, resolvemos inovar e lançar um nome nacional, o maismma.com, a continuação do MMASUL. Estamos no ar, em busca da evolução diária, das melhores coberturas e das melhores notícias. Sempre ágeis e precisos nas informações do mundo do MMA. Agora, somos #MAISMMA. Fazer o que a gente ama não tem preço. É com enorme prazer que faço as coberturas de eventos, escrevo, entrevisto e fotografo. Agora, rumo às cerca de 20 coberturas de UFC, além de inúmeras participações como convidado de programas no canal Combate. Um abraço especial a você que parou alguns segundos para saber mais sobre mim e sobre o maior site especializado em MMA do Sul do país. Não esqueça de aproveitar para visitar o maismma.com e seguir-nos no Twitter: @MMASUL. Muito obrigado, FAMÍLIA! "O jornalismo é uma paixão insaciável que só se pode digerir e humanizar mediante a confrontação descarnada com a realidade. Quem não viveu a palpitação sobrenatural da notícia, o orgasmo do furo, a demolição moral do fracasso, não pode sequer conceber o que são. Ninguém que não tenha nascido para isso e esteja disposto a viver só para isso poderia persistir numa profissão tão incompreensível e voraz, cuja obra termina depois de cada notícia, como se fora para sempre, mas que não concede um instante de paz enquanto não torna a começar com mais ardor do que nunca no minuto seguinte." Parte do texto: "A melhor profissão do mundo" Por Gabriel García Márquez (Jornalista, editor e escritor colombiano, prêmio Nobel de Literatura em 1982, autor do aclamado "Cem anos de Solidão")

DEIXE UMA RESPOSTA