Rick Monstro se lesiona e é substituído por Diego Gaúcho no Max Fight 18

0
105
Max Fight desembarca pela 1ª vez em Minas Gerais

O card do Max Fight 18, que será realizado no dia 21 de maio, em Varginha, Minas Gerais, sofreu mais uma mudança. Por conta de lesão, o ex-UFC Rick Monstro acabou substituído por Diego Gaúcho no duelo contra Dil Furacão, o terceiro principal da noite. Diego tem 29 anos e vem de vitória na última edição do torneio, contra Roberto Facada. O evento terá na luta principal Amanda Ribas contra Jennifer Gonzales e no segundo duelo mais importante, a disputa de cinturão dos pesos-galos entre Francisco De Assis e Júnior Maranhão. Todas as lutas serão transmitidas ao vivo pelo Combate e Combate Play.

Outros dois lutadores tiveram que ser retirados do card por não atenderem as exigências feitas pela Comissão Brasileira de MMA, fazendo com que três lutas sofressem alterações. Gelis Rivas deixou o card e deu lugar a Fábio Pacheco no duelo contra Hermison Oliveira. Já Arthur Ribas, que enfrentaria Abner Moisés, passa a encarar Devani Iceberg, e Ewerton Ferreira passa a fazer o primeiro combate da noite contra Stefano Alves. Confira abaixo o card completo após as mudanças:

Max Fight 18
Varginha, Minas Gerais
Sábado, 21 de maio de 2016

Amanda Ribas x Jennifer Gonzales
Francisco de Assis X Júnior Maranhão
Dil Furacão x Diego Gaúcho
Cassiano Tyschyo x Rodrigo Cavalheiro
Henerson Neném x Natan Schulte
Davi Ramos x Elder Bebê Monstro
Arthur Ribas x Devani Iceberg
Vinícius Salvador x Diogo Hannibal
Arthur Vieira x Cassio Arduini
Armando Polêmico x Flávio Merrão
Hermison Oliveira x Fábio Pacheco
Gustavo “José Aldo” x Betinho Santos
Stefano Colossus x Ewerton Ferreira

COMPARTILHAR
Artigo anteriorSaiba como assistir à pesagem oficial do UFC 198, em Curitiba
Próximo artigoRick Monstro se lesiona e é substituído por Diego Gaúcho no Max Fight 18
Um apaixonado pelas artes marciais, inspirado pelo meu pai que assistia todas as lutas de boxe na década de 70, 80. Depois passei a acompanhar o Vale-Tudo a partir da década de 90 até a evolução para o MMA atual, em que tivemos como principal referência o sucesso do Pride no Japão e o maior evento do mundo, o UFC, um fenômeno que não para de crescer. Conheço a luta na prática. Comecei com o karatê na adolescência, mas não cheguei a me graduar. Já maior de idade, iniciei no Jiu-Jítsu em 2004 e nunca mais abandonei. Além de treinar, participo de competições. Minha maior conquista foi subir no pódio do Sul-Americano de JJ da CBJJ. Criei o site www.mmasul.com.br em 2008, com o objetivo de colaborar com o MMA nos três estados que compõem a região Sul (RS, SC e PR). Fui adiante. Além de fomentar o jornalismo marcial na região, levei o MMASUL a alcançar visibilidade e credibilidade de leitores e fãs e de colegas de imprensa de todo o Brasil. Após mais de sete anos de sucesso, resolvemos inovar e lançar um nome nacional, o maismma.com, a continuação do MMASUL. Estamos no ar, em busca da evolução diária, das melhores coberturas e das melhores notícias. Sempre ágeis e precisos nas informações do mundo do MMA. Agora, somos #MAISMMA. Fazer o que a gente ama não tem preço. É com enorme prazer que faço as coberturas de eventos, escrevo, entrevisto e fotografo. Agora, rumo às cerca de 20 coberturas de UFC, além de inúmeras participações como convidado de programas no canal Combate. Um abraço especial a você que parou alguns segundos para saber mais sobre mim e sobre o maior site especializado em MMA do Sul do país. Não esqueça de aproveitar para visitar o maismma.com e seguir-nos no Twitter: @MMASUL. Muito obrigado, FAMÍLIA! "O jornalismo é uma paixão insaciável que só se pode digerir e humanizar mediante a confrontação descarnada com a realidade. Quem não viveu a palpitação sobrenatural da notícia, o orgasmo do furo, a demolição moral do fracasso, não pode sequer conceber o que são. Ninguém que não tenha nascido para isso e esteja disposto a viver só para isso poderia persistir numa profissão tão incompreensível e voraz, cuja obra termina depois de cada notícia, como se fora para sempre, mas que não concede um instante de paz enquanto não torna a começar com mais ardor do que nunca no minuto seguinte." Parte do texto: "A melhor profissão do mundo" Por Gabriel García Márquez (Jornalista, editor e escritor colombiano, prêmio Nobel de Literatura em 1982, autor do aclamado "Cem anos de Solidão")

DEIXE UMA RESPOSTA