UFC 200: Thiago Marreta substitui Derek Brunson e encara Gegard Mousasi em busca da 5ª vitória seguida

0
113
Thiago Marreta mede forças com Gegard Mousasi no UFC 200 (Foto: Valmir Silva)
Thiago Marreta mede forças com Gegard Mousasi no UFC 200 (Foto: Valmir Silva)

 

Em boa fase no UFC, o ex-TUF Brasil Thiago Marreta se ofereceu pelo Twitter para substituir Derek Brunson contra o experiente Gegard Mousasi no UFC 200, que acontece no dia 9 de julho em Las Vegas, e ganhou a vaga.

Quando soube da saída de Brunson, Marreta imediatamente se pronunciou, dizendo que estaria pronto para lutar na edição histórica. O americano relatou em sua conta no Facebook, que há cerca de quatro anos passou por um procedimento cirúrgico a laser nos olhos, e que nas últimas duas semanas começou a enxergar imagens duplicadas, sentir a visão borrada, mesmo não tendo sofrido nenhum golpe nessa região.

Brunson (6-1 UFC), número 11 do ranking peso-médio (até 84 kg), lamentou a lesão e espera voltar o quanto antes. Mousasi (5-3 UFC) vem de vitória por decisão sobre Thales Leites e fará a sua luta de número 47 da carreira no UFC 200. Marreta (5-2) entrará no cage do ducentésimo Ultimate Fighting Championship embalado por quatro vitórias seguidas, sendo três por nocaute no primeiro round. Com estilos parecidos, agressivos em pé, o duelo tem todas as chances de acabar em “lona”.

UFC 200
9 de julho de 2016, Las Vegas (EUA)

Peso-meio-pesado: Daniel Cormier x Jon Jones
Peso-galo: Miesha Tate x Amanda Nunes
Peso-pena: José Aldo x Frankie Edgar
Peso-pesado: Brock Lesnar x Mark Hunt
Peso-pesado: Cain Velásquez x Travis Browne
Peso-galo: Cat Zingano x Julianna Peña
Peso-meio-médio: Johny Hendricks x Kelvin Gastelum
Peso-galo: TJ Dillashaw x Raphael Assunção
Peso-leve: Sage Northcutt x Enrique Marin
Peso-médio: Gegard Mousasi x Thiago Marreta
Peso-leve: Diego Sanchez x Joe Lauzon
Peso-leve: Jim Miller x Takanori Gomi

COMPARTILHAR
Artigo anteriorCom aulão comandado por Mário Reis, faixa-preta Giovanne Guedes inaugura o Studio 315
Próximo artigoGeorges St. Pierre confirma retorno e desafia Michael Bisping para um “desempate”
Um apaixonado pelas artes marciais, inspirado pelo meu pai que assistia todas as lutas de boxe na década de 70, 80. Depois passei a acompanhar o Vale-Tudo a partir da década de 90 até a evolução para o MMA atual, em que tivemos como principal referência o sucesso do Pride no Japão e o maior evento do mundo, o UFC, um fenômeno que não para de crescer. Conheço a luta na prática. Comecei com o karatê na adolescência, mas não cheguei a me graduar. Já maior de idade, iniciei no Jiu-Jítsu em 2004 e nunca mais abandonei. Além de treinar, participo de competições. Minha maior conquista foi subir no pódio do Sul-Americano de JJ da CBJJ. Criei o site www.mmasul.com.br em 2008, com o objetivo de colaborar com o MMA nos três estados que compõem a região Sul (RS, SC e PR). Fui adiante. Além de fomentar o jornalismo marcial na região, levei o MMASUL a alcançar visibilidade e credibilidade de leitores e fãs e de colegas de imprensa de todo o Brasil. Após mais de sete anos de sucesso, resolvemos inovar e lançar um nome nacional, o maismma.com, a continuação do MMASUL. Estamos no ar, em busca da evolução diária, das melhores coberturas e das melhores notícias. Sempre ágeis e precisos nas informações do mundo do MMA. Agora, somos #MAISMMA. Fazer o que a gente ama não tem preço. É com enorme prazer que faço as coberturas de eventos, escrevo, entrevisto e fotografo. Agora, rumo às cerca de 20 coberturas de UFC, além de inúmeras participações como convidado de programas no canal Combate. Um abraço especial a você que parou alguns segundos para saber mais sobre mim e sobre o maior site especializado em MMA do Sul do país. Não esqueça de aproveitar para visitar o maismma.com e seguir-nos no Twitter: @MMASUL. Muito obrigado, FAMÍLIA! "O jornalismo é uma paixão insaciável que só se pode digerir e humanizar mediante a confrontação descarnada com a realidade. Quem não viveu a palpitação sobrenatural da notícia, o orgasmo do furo, a demolição moral do fracasso, não pode sequer conceber o que são. Ninguém que não tenha nascido para isso e esteja disposto a viver só para isso poderia persistir numa profissão tão incompreensível e voraz, cuja obra termina depois de cada notícia, como se fora para sempre, mas que não concede um instante de paz enquanto não torna a começar com mais ardor do que nunca no minuto seguinte." Parte do texto: "A melhor profissão do mundo" Por Gabriel García Márquez (Jornalista, editor e escritor colombiano, prêmio Nobel de Literatura em 1982, autor do aclamado "Cem anos de Solidão")

DEIXE UMA RESPOSTA