Vídeo: Amanda Nunes torna-se a primeira brasileira campeã do UFC: “Estou sem acreditar”

0
126

Amanda Nunes fez história ao finalizar Miesha Tate na luta principal do UFC 200, no último sábado, em Las Vegas, tornando-se a primeira brasileira campeã do maior evento do mundo. A baiana de 28 anos mostrou um jogo completo nos 3min16s que durou o desafio pelo título. Amanda evitou a queda, acertou um direto de encontro, e viu uma Miesha cambaleante pelo octógono.

A “Leoa” incorporou o instinto felino e passou de caça a caçadora em instantes. Ela manteve a calma e golpeou com precisão o rosto da americana. Uma joelhada, um cruzado na têmpora, seguido de uma sequência frenética de socos, levaram Miesha à posição de quatro apoios.

Amanda seguiu batendo, castigando, e enfim, colocando os ganchos para finalizar no mata-leão e escrever de vez seu nome na história do evento e no mundo do MMA. Além de ter sido a primeira brasileira a conquistar um cinturão do UFC, Amanda já havia puxado o bonde ao ser a primeira brasileira contratada pela companhia e a vencer uma luta no UFC. Após a atuação perfeita, a conquista do cinturão, e o bônus de 50 mil dólares pela “Performance da Noite”, Amanda comentou o feito.

– Estou sem acreditar ainda. Estou querendo voltar já para assistir a luta. Não estava em mim ali, estava no automático, tudo o que eu treinei, eu soltei ali. Nossa… Tenho que voltar, parar um pouco ali para ver, para acreditar né?! Nossa… Sou campeã do UFC! Depois de dez anos esperando, graças a Deus levar essa para o Brasil é muito importante para mim. A minha estratégia para a Miesha foi a paciência, a única coisa que a gente treinou nesse camp todo, e os cinco rounds. Sou uma atleta completa. Sei que poderia definir a Miesha em qualquer lugar, a qualquer hora na luta, então, a paciência foi o ponto chave da minha preparação. Venho do jiu-jítsu, sou faixa-preta, mas aprendi a ser striker muito rápido. Então, quando vi a oportunidade, já vi que ela estava meio… (grogue), que não iria resistir muito, usei meu jiu-jítsu e peguei ela. A sensação é de dever cumprido, um sonho realizado. Agora é só manter. Voltar a treinar e manter esse cinturão – declarou a nova campeã peso-galo.

UFC 200
9 de julho de 2016, em Las Vegas (EUA)

Amanda Nunes venceu Miesha Tate por finalização aos 3m16s do R1
Brock Lesnar venceu Mark Hunt por decisão unânime (triplo 29-27)
Daniel Cormier venceu Anderson Silva por decisão unânime (triplo 30-26)
José Aldo venceu Frankie Edgar por decisão unânime (49-46, 49-46, 48-47)
Cain Velásquez venceu Travis Browne por nocaute técnico aos 4m57s do R1
Julianna Peña venceu Cat Zingano por decisão unânime (triplo 29-28)
Kelvin Gastelum venceu Johny Hendricks por decisão unânime (29-28, 30-27, 30-27)
TJ Dillashaw venceu Raphael Assunção por decisão unânime (triplo 30-27)
Sage Northcutt venceu Enrique Marin por decisão unânime (triplo 29-28)
Joe Lauzon venceu Diego Sanchez por nocaute técnico a 1m26s do R1
Gegard Mousasi venceu Thiago Marreta por nocaute aos 4m32s do R1
Jim Miller venceu Takanori Gomi por nocaute técnico aos 2m18s do R1

 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorAspera FC 41: Renato Pezinho vence GP e ganha contrato com KSW; Felipe Cruz domina Richard Godoy e conquista cinturão dos penas
Próximo artigoUFC FN 91: Lineker e McDonald dispensam clima tenso e trocam risos na pesagem; Assista
Um apaixonado pelas artes marciais, inspirado pelo meu pai que assistia todas as lutas de boxe na década de 70, 80. Depois passei a acompanhar o Vale-Tudo a partir da década de 90 até a evolução para o MMA atual, em que tivemos como principal referência o sucesso do Pride no Japão e o maior evento do mundo, o UFC, um fenômeno que não para de crescer. Conheço a luta na prática. Comecei com o karatê na adolescência, mas não cheguei a me graduar. Já maior de idade, iniciei no Jiu-Jítsu em 2004 e nunca mais abandonei. Além de treinar, participo de competições. Minha maior conquista foi subir no pódio do Sul-Americano de JJ da CBJJ. Criei o site www.mmasul.com.br em 2008, com o objetivo de colaborar com o MMA nos três estados que compõem a região Sul (RS, SC e PR). Fui adiante. Além de fomentar o jornalismo marcial na região, levei o MMASUL a alcançar visibilidade e credibilidade de leitores e fãs e de colegas de imprensa de todo o Brasil. Após mais de sete anos de sucesso, resolvemos inovar e lançar um nome nacional, o maismma.com, a continuação do MMASUL. Estamos no ar, em busca da evolução diária, das melhores coberturas e das melhores notícias. Sempre ágeis e precisos nas informações do mundo do MMA. Agora, somos #MAISMMA. Fazer o que a gente ama não tem preço. É com enorme prazer que faço as coberturas de eventos, escrevo, entrevisto e fotografo. Agora, rumo às cerca de 20 coberturas de UFC, além de inúmeras participações como convidado de programas no canal Combate. Um abraço especial a você que parou alguns segundos para saber mais sobre mim e sobre o maior site especializado em MMA do Sul do país. Não esqueça de aproveitar para visitar o maismma.com e seguir-nos no Twitter: @MMASUL. Muito obrigado, FAMÍLIA! "O jornalismo é uma paixão insaciável que só se pode digerir e humanizar mediante a confrontação descarnada com a realidade. Quem não viveu a palpitação sobrenatural da notícia, o orgasmo do furo, a demolição moral do fracasso, não pode sequer conceber o que são. Ninguém que não tenha nascido para isso e esteja disposto a viver só para isso poderia persistir numa profissão tão incompreensível e voraz, cuja obra termina depois de cada notícia, como se fora para sempre, mas que não concede um instante de paz enquanto não torna a começar com mais ardor do que nunca no minuto seguinte." Parte do texto: "A melhor profissão do mundo" Por Gabriel García Márquez (Jornalista, editor e escritor colombiano, prêmio Nobel de Literatura em 1982, autor do aclamado "Cem anos de Solidão")

DEIXE UMA RESPOSTA