Vídeo: Mestre dos atores e atletas no filme “Mais Forte que o Mundo”, Fabiano Boxer revela detalhes das gravações e elogia Jose Loreto

0
248

Fabiano Boxer, líder da Boxer MMA, uma das principais equipes do Rio Grande do Sul, conta em detalhes na entrevista ao MAISMMA, o trabalho de preparação dos atores e atletas para as gravações do filme “Mais Forte que o Mundo”, que conta a vida do ex-campeão do UFC e campeão da vida, José Aldo Junior. Boxer teve a responsabilidade de aproximar as cenas de luta da realidade. Após a finalização do filme, Boxer foi a São Paulo acompanhar de perto à pré-estreia. Depois, em Porto Alegre, o faixa-preta assistiu à estreia ao lado dos amigos e familiares. Satisfeito com o resultado do trabalho, Boxer avaliou:

“Quando vi a pré-estreia ao lado dos atores já achei a história dele (José Aldo) espetacular, linda. Na segunda vez que vi aqui em Porto Alegre com meus alunos e familiares, a história passa de linda para emocionante. A todo o tempo o lado do mal puxando ele talvez para o lado errado, e ele tendo toda aquela força de vontade, toda aquela resiliência, com problemas dentro de casa, ele acaba indo para o lado do bem – com todo o poder negativo que a história dele poderia ter, ele conseguiu transformar tudo isso numa coisa maravilhosa e se tornou o campeão do povo”.

O treinador elogiou o talento do diretor Afonso Poyart e a entrega dos atores, principalmente do protagonista José Loreto. Boxer também comemorou uma pequena aparição no filme, o que ele chama de um “presente” dado por Poyart e o envolvimento da Boxer MMA, com a participação de dois de seus atletas nas lutas principais: o campeão do Jungle Fight Dirlei “Mão de Pedra” e o striker Gustavo Kuhn. Antes de encerrar nosso bate-papo no centro de treinamentos da equipe, Boxer aproveitou para destacar os novos talentos, os projetos e a fase atual do time gaúcho, que vem marcando presença em grandes eventos ao redor do mundo.

 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorVídeo: Em disputa sangrenta, Gian Siqueira vence Silmar Sombra “duas vezes” no Aspera FC 40
Próximo artigoCom aulão comandado por Mário Reis, faixa-preta Giovanne Guedes inaugura o Studio 315
Um apaixonado pelas artes marciais, inspirado pelo meu pai que assistia todas as lutas de boxe na década de 70, 80. Depois passei a acompanhar o Vale-Tudo a partir da década de 90 até a evolução para o MMA atual, em que tivemos como principal referência o sucesso do Pride no Japão e o maior evento do mundo, o UFC, um fenômeno que não para de crescer. Conheço a luta na prática. Comecei com o karatê na adolescência, mas não cheguei a me graduar. Já maior de idade, iniciei no Jiu-Jítsu em 2004 e nunca mais abandonei. Além de treinar, participo de competições. Minha maior conquista foi subir no pódio do Sul-Americano de JJ da CBJJ. Criei o site www.mmasul.com.br em 2008, com o objetivo de colaborar com o MMA nos três estados que compõem a região Sul (RS, SC e PR). Fui adiante. Além de fomentar o jornalismo marcial na região, levei o MMASUL a alcançar visibilidade e credibilidade de leitores e fãs e de colegas de imprensa de todo o Brasil. Após mais de sete anos de sucesso, resolvemos inovar e lançar um nome nacional, o maismma.com, a continuação do MMASUL. Estamos no ar, em busca da evolução diária, das melhores coberturas e das melhores notícias. Sempre ágeis e precisos nas informações do mundo do MMA. Agora, somos #MAISMMA. Fazer o que a gente ama não tem preço. É com enorme prazer que faço as coberturas de eventos, escrevo, entrevisto e fotografo. Agora, rumo às cerca de 20 coberturas de UFC, além de inúmeras participações como convidado de programas no canal Combate. Um abraço especial a você que parou alguns segundos para saber mais sobre mim e sobre o maior site especializado em MMA do Sul do país. Não esqueça de aproveitar para visitar o maismma.com e seguir-nos no Twitter: @MMASUL. Muito obrigado, FAMÍLIA! "O jornalismo é uma paixão insaciável que só se pode digerir e humanizar mediante a confrontação descarnada com a realidade. Quem não viveu a palpitação sobrenatural da notícia, o orgasmo do furo, a demolição moral do fracasso, não pode sequer conceber o que são. Ninguém que não tenha nascido para isso e esteja disposto a viver só para isso poderia persistir numa profissão tão incompreensível e voraz, cuja obra termina depois de cada notícia, como se fora para sempre, mas que não concede um instante de paz enquanto não torna a começar com mais ardor do que nunca no minuto seguinte." Parte do texto: "A melhor profissão do mundo" Por Gabriel García Márquez (Jornalista, editor e escritor colombiano, prêmio Nobel de Literatura em 1982, autor do aclamado "Cem anos de Solidão")

DEIXE UMA RESPOSTA